quarta-feira, 22 de março de 2017

Quotes: As Batidas Perdidas do Coração

Olá amores!

Como vocês já sabem, eu sou parceira da linda Bianca Briones e um dos livros que mais mexeu comigo na vida foi: "As Batidas Perdidas do Coração". Sendo assim, eu não vou perder a oportunidade e vou mostrar a vocês um pouco dessa obra tão grandiosa. Lembrando que os temas mais abordados nesse livro são a perda, superação, perdão e o poder do amor



"Nada acontece por acaso e devemos ser capazes de perceber os sinais de que algo bom virá em qualquer situação"

"Se não acabou bem, é porque não terminou ainda"

"Meu pai dizia que, quando descobrimos que estamos apaixonados, o coração fica tão assustado que pula um batimento, como se estivesse se preparando para todas as variações de velocidade que vai ter que enfrentar a partir daí. É  o que ele chamava de 'batidas perdidas do coração'. Segundo ele, o coração nunca recupera o ritmo correto até se encontrar no peito de outra pessoa."


"Nossas dores, elas são iguais"

"O certo e o errado que se digladiam sem dar uma palavra sequer. Passionalidade contra racionalidade. Coração versus razão"

"Minha vida desmorona mais a cada dia. Se eu não me apegar ao melhor lado, não tenho mais nada. No momento, a esperança de que pode dar certo é tudo o que tenho"

"Você precisa se permitir esquecer às vezes"

"A gente vive um dia após o outro. Não tem fórmula mágica. A gente tenta, e talvez dê certo, talvez não. Quero que dê"

"Eu te amo, porra"

<3


E tem muitos mais como vocês podem perceber pelo estado do meu livro, rs. Mas não quero dar spoilers, então apenas desejo que vocês percam batidas com essa maravilha de história e caso alguém se interesse, deixo aqui abaixo a playlist especial do Rafa e Vivi, os protagonistas de 'As Batidas Perdidas do Coração":


- Alessandra Salvia

segunda-feira, 20 de março de 2017

Resenha: Pequenas Grandes Mentiras

Olá amores!

Hoje, vamos falar um pouco sobre o livro que deu origem a série que estreou na HBO há algumas semanas, "Big Little Lies" ou então, como podemos traduzir, "Pequenas Grandes Mentiras". Escrita por Liane Moriarty e publicada pela Editora Intrínseca, essa obra é tão cheia de altos e baixos que fica difícil comentá-la em paralelo com a série, ou seja, muitas vezes, vou cruzar os caminhos, mas não se preocupem, não tem spoiler!


A história acontece em Monterey, cidade litorânea dos EUA, onde um assassinato ocorreu. Porém, não sabemos quem morreu e nem mesmo quem matou. A série terá 7 episódios que brinca entre passado e futuro, mostrando como eram as vidas das pessoas envolvidas nesse crime. O foco fica, principalmente, em Madeline, Jane e Celeste. Todas são mães e cheias de problemas pessoais.

Madeline (Reese Witherspoon) está na crise dos 40 anos e está perdendo a filha mais velha para a atual esposa de seu ex-marido. 

Jane (Shailene Woodley) é nova na cidade e seu filho Ziggy é acusado de tentar estrangular Amabella, filha de Renata, uma executiva extremamente inconveniente. 

Celeste (Nicole Kidman) que tem gêmeos com um marido mais novo, precisa lidar com o fato de que o casamento perfeito não é tão perfeito assim, podendo até mesmo ser violento. 


Pelo que estou percebendo, a série está bem fiel ao livro. Gosto do fato do roteiro muitas vezes utilizar os mesmos diálogos ou frases dos personagens, isso o caracteriza como realmente a autora pretendia. Não é nada simples ou bobinho, é um enredo inteligente, com personagens complexos que te questionam a todo momento.

O que me levou a escrever esse texto antes da série ser finalizada (além do fato de eu já ter lido o livro)? É muito inquietante! Você se vicia, fui lendo conforme os episódios iam saindo e quando chegou o momento decisivo (Jane contando seu passado para Madeline) eu engoli a leitura. Confesso que demorou para a escrita da autora me conquistar, porque há alguns pontos lentos, mas seu enredo é extremamente bem desenvolvido e coerente.

Formei várias teorias, uma delas estava certa e a outra TOTALMENTE errada, ou seja, eu fui surpreendida! Não vejo a hora de ver tudo retratado nas telinhas. O elenco é impecável, Reese faz uma Madeline com maestria, achei que Shailene não iria me convencer como mãe, mas fui totalmente pega de surpresa com sua intensidade e Nicole Kidman? O dilema de Celeste não poderia ser melhor retratado, queria destacar as cenas de sexo, porque há aquela tensão que o livro (com descrições e pensamentos) consegue nos transmitir perfeitamente. Nicole usa o olhar e as expressões para nos contar o quanto dói uma relação abusiva.



Outro ponto que quero ressaltar é que a autora traz discussões muito importantes e feministas durante a obra. Jane explicando como a sociedade vive em função da beleza e do corpo ideal, Madeline confrontando o marido quando o mesmo chama uma garota estuprada de boba e principalmente Celeste com as agressões e proibições. Uma das cenas que mais me impactou foi quando Celeste diz que ama ser mãe, mas isso não a completa, ela precisa trabalhar, ser auto-suficiente, para assim poder ser plena. É sensacional a maneira como assuntos do cotidiano se tornam fundamentais para construir uma forte história. Senti que aquilo poderia ser real, na verdade, é real! Muitas mulheres passam por isso e precisamos mostrar ao mundo o quão errado pode ser o fato de uma mulher se limitar ao que o companheiro quer.

Ah! Não posso ignorar a presença das crianças na história. O fato do tema central dos pequenos ser o bullying é outra confirmação que o enredo é atual e precisa ser discutido abertamente. O mais legal  e original disso tudo é que vemos a perspectiva de uma mãe que precisa lidar com os dedos apontados para ela, o seu filho é o acusado, não a vítima. A dúvida e certeza que Jane tem perante Ziggy e como ela conduz a situação é o ponto alto desse plot. 




Fiquei apaixonada por como a HBO trouxe o melhor da obra. Estou totalmente viciada na série e assim que novos episódios são liberados, eu corro para ver (a entrada é tããão linda que é impossível pulá-la, rs). Acho que foi uma ótima iniciativa trazer a adaptação nesse momento da sociedade e já temos a confirmação de que mais livros da Liane virão para a TV. 

Já a leitura, eu super recomendo, principalmente para as mulheres. O problema da fluidez existe, mas se vencido é uma grande história. Ela te faz pensar sobre sua vida e como você gostaria de segui-la. 

Minha Classificação: ♥ ♥ ♥ ♥ (4/5) - Muito bom!

- Alessandra Salvia

domingo, 19 de março de 2017

Cinema: A Bela e a Fera

Oi amores!

Eu não ia falar sobre "A Bela e a Fera", afinal, para qualquer lugar em que você olhe, tem alguém falando disso, certo? Porém, eu fui ao cinema ontem e é impossível se manter impassível frente a esse filme. Sério, de todo o coração. Foi um dos filmes mais lindos que eu já vi. Claro, o toque Disney encanta a todos, mas a união de uma história icônica, um elenco escolhido a dedo e uma produção impecável gera um dos filmes mais maravilhosos da história da produtora.


Claro que você já conhece o enredo, um príncipe extremamente arrogante que é enfeitiçado por uma bruxa para aprender o verdadeiro significado da palavra beleza. Para voltar ao normal, sua esperança é a doce e valente Bela, filha de um inventor que mora em uma cidadezinha do interior da França.



Antes de começar a elogiar a obra como um todo, preciso destacar algumas diferenças que tivemos da obra original para esse 'remake'. O fato da Bela ter um emponderamento feminino foi MUITO benéfico. Já vou gerar polêmica, mas existem algumas feministas extremas que criticam o fato das princesas serem todas frágeis e bobinhas. Bela chega para mostrar o verdadeiro significado de ser princesa: educação, inteligência, coragem, bondade e altruísmo. Ter um príncipe é sim opcional, porém não deve ser algo negativo, a presença masculina nessas histórias quer mostrar que existe a compreensão, o apoio e o companheirismo entre um casal

Outro ponto que quero destacar é que as relações familiares são muito bem explicadas. Eu adorei  a menção aos pais da Fera, adorei saber o que aconteceu com a mãe da Bela, o fato do pai nunca ter citado o assunto, a culpa subtendida... Realmente adorei o fato dessa dor pela falta de uma mãe ser abordada sutilmente, porém com um grande peso na construção da personagem.


Com isso, já puxo o grandioso fato: EMMA WATSON é a Bela. Não existe atriz mais perfeita para o papel. Ela tem uma força, uma sensibilidade única. Ela abraçou a causa, percebemos o quanto ela acreditava naquilo que fazia, já que atuou com maestria em todas as cenas. Seu olhar transmite tanta emoção que eu me via absorta naquelas cenas mágicas e quando dava por mim, eu estava sorrindo. 

Tudo é tão delicado! Muitas vezes a nostalgia bate no coração e você necessita cantar aquelas canções tão marcantes. Lembrando que temos algumas composições especiais para esse filme e adianto que se encaixaram perfeitamente no contexto. Letras e melodias casaram completamente com a proposta. 

E como estou elogiando as músicas, vou logo emendando no fato da grandeza das apresentações. Tudo tão belo, tão rico, tão detalhado. É um verdadeiro live action, é todo aquele sonho de infância se tornando realidade (e sonho atual também, porque aquela biblioteca fez o coração acelerar, rs).


Assisti ao filme em uma sala lotaaaaada, não tinha nenhum lugarzinho vazio, ou seja, caso queira ir, se programe, compre ingresso com antecedência. Eu escolhi o filme sem o efeito 3D e não senti falta, a imagem é tão linda que não precisa de mais efeitos, muito pelo contrário, acho que perderia grande parte do brilho da obra.

Ah, sabe algo engraçado? O filme é 'A Bela e a Fera', mas um dos personagens que eu mais amei e confesso que shippei forte foi o Gaston. Senhooooor! Ele é o máximo, realmente! HAHAHAHA Claro, é insuportavelmente egocêntrico e mau. Muito mau. Mas lindo. E bom ator. Luke Evans brilhou no papel, porque ele conseguiu conquistar o público de uma maneira inesperada.



Outras observações importantes:

  • Os pelos da Fera estavam incrivelmente bem hidratados, rs. Piadas à parte, os efeitos estão incríveis, tanto na confecção da Fera, quanto pela animação dos objetos do castelo;
  • Muito genial o fato do vestido da Bela estar sempre com uma ponta presa com as 'anáguas' aparecendo, um ponto simples que mostra a coragem da personagem;
  • O famoso vestido amarelo funcionou muito melhor nas telonas do que nas fotos, há mais detalhes, mais volume e mais brilho;
  • Tem humor!!! É sutil, mas engraçadinho;
  • Presenças ilustres de Emma Thompson, Ian McKellen e Stanley Tucci;
  • O personagem gay foi belíssimo. Muito bem apresentado, não achei apelativo, muito pelo contrário, eu torcia por ele e adorei como tudo terminou. Não acho que as mães chatas de plantão devam se preocupar com isso, tudo é inocente e próprio para os seus filhos;

Um pouco mais longo que o original, percebi várias crianças entediadas, mas todos os adultos aos suspiros. O mais bacana foi a sala toda se unir a canção "Sentimentos são.... Fáceis de mudaaaaar..." e também o fato de que bastante gente ficou até os créditos acabarem. Além das palmas ao final! *-*

Mesmo com muito material de marketing divulgado, "A Bela e a Fera" superou as expectativas, é aquele tipo de filme obrigatório, que vai aquecer seu coração e te marcará para sempre. Termino essa resenha com a playlist tocando no Spotify e com uma vontade imensa de rever, rever, rever e rever essa maravilhosa obra. (LANÇA O DVD LOGO DISNEY!).

Minha Classificação: ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ (5/5) - Perfeito!!! Não mudaria nadinha!!!

- Alessandra Salvia

sexta-feira, 17 de março de 2017

Especial HP: Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban

Olá amores!

Um dos meus filmes favoritos de Harry Potter é 'O Prisioneiro de Azkaban', o livro é tão bom quanto, então precisamos falar com detalhes sobre essa obra excelente que marcou gerações!



Sinopse de "O Prisioneiro de Askaban":
Harry está de volta a Hogwarts pelo terceiro ano seguido, porém desta vez a escola de magia está infestada de Dementadores, criaturas das trevas que tem o poder de sugar toda a felicidade da alma de uma pessoa. Esses seres malignos estão lá a procura de Sirius Black, um famoso bruxo que fugiu de Azkaban. Detalhe: ninguém havia fugido antes da prisão de segurança máxima...


O porquê devemos ler o livro: 
A história começa a ganhar um tom mais sombrio. É uma aventura que cresce e torna os personagens pequenos heróis. Harry está crescendo, sabe que a maldade no mundo bruxo existe com mais frequência do que esperava e é preciso saber se defender. A aula de Defesa Contra as Artes das Trevas pode ser matéria que salvará sua vida! Além do fato de termos grandes revelações sobre a vida de Harry;


O que senti falta no filme: 
Nada! <3 Mas de novo essa resposta, Ale? SIIIIM! Eu amo esse filme, tudo o que me encantou quando eu li da primeira vez está ali: Bicuço, Vira-tempo, a coragem de Hermione e o relacionamento Harry/Sirius Black. Até porque, o Sirius é um dos meus personagens favoritos do mundo mágico, rs.



Ponto que mais amei na história:
TUDO! Como disse no tópico acima, vários detalhes me encantaram. A força da história é impressionante, porque a cada parte percebemos como tudo se encaixa e após o término da saga, percebemos o quanto esse episódio contribuiu para tudo acontecer. É nesse livro que conhecemos personagens que marcaram meu coração e me levaram as lágrimas com seus desfechos.


Quotes marcantes:

"Nos sonhos entramos num mundo inteiramente nosso. Deixe que mergulhe no mais profundo oceano ou flutue na mais alta nuvem"

"Isto sugere que o que você mais teme é o medo. Muito sensato, Harry."

"Essa é a segunda vez que a senhorita fala sem ser convidada"

"As consequências dos nossos atos são sempre tão complexas, tão diversas, que predizer o futuro é uma tarefa realmente difícil"

"Expecto Patronum"

Aiiii que amor! Que saudade desse filme! <3 Lá vou eu maratonar Harry Potter de novo... Aguardem que o próximo post da coluna vamos lembrar de 'O Cálice de Fogo'!

- Alessandra Salvia

quarta-feira, 15 de março de 2017

Resenha: Três Metros Acima do Céu

Olá amores!

Hoje, eu trouxe um livro que li há 9 anos, foi um dos livros que mais me marcou em toda minha 'carreira literária', rs. Não sei se vocês já o conhecem, mas já adianto que é uma novidade aqui no 'Estante da Ale', pois é um romance italiano e foi escrito em 1992. "Três Metros Acima do Céu" foi publicado aqui no Brasil originalmente pela Editora Rocco e nem sei se vocês vão encontrar facilmente para vender, mas como tive a oportunidade de assistir a adaptação cinematográfica que está disponível na Netflix (título adaptado para 'Paixão Sem Limites'), achei interessante abordar essa história com vocês.


O autor é Federico Moccia e não era para ser uma série, porém o sucesso foi tão grande que os jovens italianos tiravam xerox dos livros para poder terem consigo. E aí com essa explosão, Federico se viu obrigado a dar uma continuação para Step e Babi. O chamado "Sou Louco Por Você" foi publicado aqui pela Editora Planeta e é encontrado facilmente. 

A grande novidade é que o terceiro e último livro da série acaba de ser lançado na Itália!!!! Estou pressionando a Ed. Planeta para informações sobre a sequência e assim que tiver, aviso a vocês. Mas enquanto isso, vamos falar um pouco sobre o que se trata?

Step é um bad boy bem complicado, ele participa de corridas ilegais e consegue ser bem mal educado e grosso quando quer. Já Babi é aquela típica garota rica, mimada e arrogante. São dois esterótipos que tem tudo para fazer uma história ser clichê. Até aí talvez você não tenha se interessado, mas é essa história clichê que te surpreende por sua verdade e capacidade de reformular aquela base já vista milhares de vezes. Os personagens são mais que o esperado, se tornam complexos e profundos.


O poder do enredo é forte. Você se envolve, vê que os personagens são errados, são inadequados, mas não consegue deixar de torcer por eles. Há vários trechos mais pesados e que te fazem pensar. O final é tão impactante que fica aquele vazio no coração. Foi o primeiro livro que me fez chorar na vida e que marcou tanto meu coração que só de lembrar, as lágrimas vem até mim. 

A continuação "Sou Louco Por Você" deixou a desejar, mas é boa. Deu para entender, rs? Não era o que todos esperávamos no sentido do rumo de cada um dos personagens, mas é muito interessante ver como a vida seguiu e que nem sempre o esperado acontece. Não posso dar spoilers, mas o surgimento de novos personagens questionam tudo aquilo que você acreditava e a protagonista de antes se torna secundária perante a riqueza que o novo Step nos traz.


Estou bem ansiosa para saber o desfecho da série. Na época em que li, nunca passou pela minha cabeça que aquele até então clichê, iria crescer tanto e me marcar. Até hoje, lembro da montanha russa de emoções que foi a leitura e indico de olhos fechados e coração apertado para todos vocês.

Um romance único, emotivo, inesperado e intenso. Marcou uma geração e pode vir a te cativar também. Federico Moccia é aquele autor que você precisa conhecer.

Minha Classificação: ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ (5/5) - Favorito!

- Alessandra Salvia

segunda-feira, 13 de março de 2017

Resenha: Beleza Perdida

Olá amores!

Recentemente, eu li "Beleza Perdida" da autora Amy Harmon publicado pela Verus Editora. Foi uma indicação da linda Pâm, do Interruptedreamer.com (ela nunca decepciona nas indicações ♥) e ao saber que seria uma releitura do clássico "A Bela e a Fera", eu não podia deixar esse livro de fora da minha listinha de desejados.


Comecei com cuidado, tentando conhecer os personagens aos poucos, sem grandes esperanças. A cada página fui conquistada por Ambrose, Fern e Bailey. Lembro que fui tão devagar no começo que cheguei a passar algumas leituras na frente. Porém, quando Ambrose toma a decisão de ir para a guerra e leva seus amigos com ele, eu já comecei a pensar... Opa, como assim? É, eu li o livro apenas pela indicação, não tinha nem ideia de como tudo ia acontecer (estou com essa mania de não ler sinopses, rs), mas voltando... 5 amigos vão para a guerra e apenas Ambrose retorna. E nem é como ele havia imaginado. 

Já Fern é aquela doce garota invisível. Apaixonada por livros de romance, ela sonha em poder protagonizar uma linda história de amor como aquelas que lê. Fern é tão especial e me ensinou tanto que se tornou uma das mocinhas que mais admiro. Ela se apaixona por Ambrose e mesmo anos após o colegial, seu sentimento se mantém puro e intenso.


O enredo traz temas como culpa, amizade e heroísmo. Há várias discussões que me fizeram refletir sobre a minha própria vida. A questão do perdão e da superação também é forte. Ambrose é um dos personagens mais "quebrados" que existem e a construção dessas peças forma um homem real e apaixonante.

"Amor não é amor, se quando encontra obstáculos se altera, ou se vacila no mínimo temor. Amor é um marco eterno, dominante, que encara a tempestade com bravura."

Porém, confesso que outro personagem roubou a cena. Bailey é o primo cadeirante de Fern, ele tem uma doença degenerativa que não permite sua movimentação, ele só consegue falar, é a Fern que o leva para todos os lugares, cuida dele e acima de tudo é sua melhor amiga. Bailey é criativo, engraçado e espirituoso. É ele quem ganha seu coração. Ele te dá esperanças e te leva as lágrimas. Pensa em um personagem carismático? Bailey vai além. 


Fiquei extremamente envolvida com o livro. Demorei para superar o final, foi uma experiência de leitura incrível. A escrita da Amy é impecável, envolve o leitor e emociona. É impressionante o quanto de vezes que tive que parar para pensar no que estava sendo abordado ali. Eu fiquei marcada, é aquele tipo de livro que todos deveriam ler, pelo menos uma vez na vida.

Acho que é mais que uma releitura do clássico Disney. A autora trouxe uma identidade para os personagens, é uma beleza única. Recomendo de olhos fechados. Leia "Beleza Perdida" e se encante também! Em breve, vou trazer resenha de outro livro da autora, o chamado "Infinito + 1", porque já fiquei fã do trabalho dela.

Minha Classificação: ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ (5/5) - Favorito!

- Alessandra Salvia

domingo, 12 de março de 2017

5 Melhores Momentos de The Vampire Diaries

Olá amores!

Falar sobre 8 anos de The Vampire Diaries para mim, não é fácil. Eu acompanhei desde o piloto (primeiro episódio), surtei demais durante todos esses anos e permaneci fiel mesmo após a desistência da Nina Dobrev, ou seja, posso dizer que me considero uma vampire por absorção, rs. 


Como todos sabem, sexta passada foi ao ar o último episódio e a tristeza nos consome. Essa série, especificamente, me traz várias lembranças. Ela esteve comigo em diferentes momentos e um exemplo disso é que possuo os DVDs em casa (mesmo a série estando no catálogo da Netflix). Então, eu estava pensando em escrever uma crítica da última temporada, porém acho que TVD é mais que isso, é mais que uma oitava temporada ruim. Assim, decidi que vou listar os cinco melhores momentos da série. Quando for spoiler sobre o final, eu aviso, rs.

Momento nº1) O clã de vampiros:


Algumas cenas específicas podem entrar nesse primeiro momento, por isso dei uma classificação geral. A cena clássica de Damon aparecendo para Stefan com o seu famoso "Hello Brother", Katherine transformando Caroline e o acidente de Elena na estrada que seus pais morreram. A construção da 'equipe' foi muito boa. Até mesmo a transformação de Tyler em lobisomem parece que foi ontem de tanto que me marcou. Há uma química excelente entre os atores e por mais que seja um triângulo amoroso, tudo ficou muito bem dividido e em escalas. Conforme cada um amadurece, os sentimentos evoluem e as habilidades também. A parceria de sempre estarem ali, um pelo outro, também é sensacional. TVD teve vilões, mas a presença da ambiguidade/dupla personalidade em cada um dos seus protagonistas fez com que o enredo se tornasse complexo e completo;

Momento nº2) Never Say Never:


Se existe uma música que caracteriza TVD, é essa. Claro que a trilha sonora em todas as temporadas foi incrível, mas quando unimos The Fray à determinadas cenas, essa música se torna única. Já adianto que ela tocou no último episódio e bateu aquela nostalgia boa, foi impossível conter as lágrimas e exatamente aí que eu tive a certeza que os 8 anos valeram a pena. A série pode ter tido altos e baixos, sei que muitas pessoas irão comentar nesse post dizendo que a abandonaram, mas ao todo, TVD foi um sucesso e tenho certeza que os irmãos Salvatore ficarão marcados no coração de muitos;

Momento nº3) Katherine Pierce:


Hello John, Goodbye John! Katherine é a minha vilã favorita de todos os tempos e aqui vou englobar todas as cenas da nossa rainha, principalmente as da juventude. O crescimento e os motivos pelos quais ela se tornou o que é me conquistaram. Sua arrogância, ironia e inteligência me encantam. Lembro que na season 1 eu torcia tanto para ela aparecer que quando isso aconteceu foi como se TVD não pudesse melhorar. A Nina fez um excelente trabalho, não posso negar, afinal, diversas vezes temos Katherine interpretando Elena e o trabalho da Nina era ser uma Elena diferente para podermos reconhecer a Katherine. Incrível! O final da personagem não foi aquele que eu queria, mas talvez seja justo por tudo aquilo que ela proporcionou a Mystic Falls;

Momento nº4) Elena e Damon:


Algumas cenas me emocionaram muito e vou citá-las sem uma ordem cronológica, apenas aquelas que surgem em minha mente e coração: quando o Damon está quase morrendo e acontece o primeiro beijo com Elena; quando Damon apaga sua memória para que ela não se lembre que o conheceu antes de Stefan; quando Elena finalmente admite que o ama; quando eles se matam juntos; quando eles se despedem... E aquelas danças??? Ai Deus, eu já estou chorando, rs. Está para surgir um casal que me emocionou mais vezes que Elena e Damon. Confesso que desde quando li os livros, a paixão foi imediada. Damon é um personagem tão intenso que mesmo tentando ser um vilão, nos mostra seu coração e conquista os telespectadores. Acho difícil alguém que tenha torcido para Elena ter seu final feliz com Stefan. Mas claro, não devemos tirar o mérito do excelente trabalho que Ian Somehalder fez, certo? Impossível imaginar o personagem de outra maneira;

Momento nº5) O Final - SPOILER:


Nesse ponto chegamos ao que eu mais gostei de TVD. A série é sobre vampiros, em todos os momentos falamos sobre a imortalidade, mas nesse adeus o que Julie Palec (roteirista/produtora) nos mostrou foi a importância de aproveitar o momento e viver a felicidade que lhe cabe. Vi pelo facebook que muitas pessoas não entenderam direito a proposta e eu vou explicar exatamente o que eu entendi. Elena e Damon viveram felizes e o para sempre pode existir sim, só que após a morte. Há um outro lado, Elena consegue reencontrar todos aqueles que amou, porém partiram. Damon reencontra Stefan (me julguem, mas eu ADOREI ele ter morrido! Que sensacional! Ele tinha esse instinto protetor e de salvação) e isso não quer dizer que Elena inventou tudo. Ela continuou escrevendo, se tornou uma enfermeira, mas tudo na vida tem um final, é aquela famosa frase... Tudo tem jeito na vida, a não ser a morte. E Elena (um dia) iria morrer, assim como Damon (agora humano). AH!!!! E o mais importante, há uma grande chance de Caroline ir para The Originals, então ficaremos atentos a possíveis continuações, afinal, a produção já deixou claro que spin offs podem surgir!


Acabo esse post emocionada, ao som de The Fray e com um sorriso. Que jornada pessoal! 8 anos que valeram a pena. E caso você esteja interessado(a) em dar uma chance a TVD, eu recomendo sim. Acho que a construção do enredo tem problemas, mas o conjunto da obra é muito fascinante. Até Bonnie conseguiu se redimir com meu coração (ela era a personagem que eu menos gostava, rs).


E vocês? Acompanhavam a trajetória dos irmãos Salvatore? Deixe um comentário com sua opinião!

- Alessandra Salvia