segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Resenha: A Noiva Devota

Olá amores!

Preparados para mais romances históricos? Claro que se eu falar o nome: Mari Scotti, vocês já podem começar a suspirar... "A Noiva Devota" é o livro mais recente da autora e já está disponível na Amazon para nós nos deliciarmos, só clicar AQUI!


Caso vocês não se lembrem, esse é o livro 2 da série Hallinson's, eu já trouxe a resenha do livro 1, "Montanha da Lua" e agora voltei para falarmos um pouco sobre a continuidade dessa história que pode sim ser lida independentemente, porém já adianto que vale a pena conhecer essa família tão maravilhosa, te aconselho a começar do princípio mesmo. Mas essa resenha não terá grandes spoilers, fique tranquilo (a).

O protagonista da vez é o Samuel, filho de Octávio e Mical, o garoto mais indeciso que você conhecerá na sua vida, rs. Sendo muito inteligente e estando na segunda graduação, Samuel vem nos contar como é complicado ser filho do casal que quebrou a maldição Hallinson, toda uma sociedade acredita que o jovem é destinado ao amor e as solteironas o perseguem para onde quer que ele vá. Inclusive, no baile de comemoração aos 5 anos de matrimônio de Henriqueta, sua irmã mais nova.



Nesse baile, também está Rosalina Acker que infelizmente passa mal por conta do espartilho apertado demais e se vê em uma situação constrangedora com Samuel. Claro que naquela época qualquer coisa já era um escândalo e para consertar os 'erros' cometidos, apenas o casamento era dado como solução. Mesmo amando Samuel em segredo, Rosalina não quer se casar, já que o seu maior desejo é ser correspondida.

Sendo assim, ambos fazem um acordo, vão manter o proclames em andamento enquanto se conhecem. Claro que Samuel tem outras intenções, como por exemplo... Trocar de noiva? Sim, infelizmente, o jovem Hallinson quer conhecer melhor Isabel, outra irmã de Acker. 

Gosto muito da postura respeitosa, gentil e amável de Rosalina. Ela tem um probleminha na perna, o que a faz mancar e a torna ainda mais especial. Ela é bem diferente da Mical, mas percebo uma forte tendência da autora a fazer mocinhas maravilhosas. O Samuel é mais apagado ao compararmos com Octávio, em alguns momentos fiquei com muita raiva de como ele é cego e não vê Rosalina como deveria. Mas a conquista e os flertes são tão fofos, você fica toda envolvida com ambos e suas interações.



Percebi uma grande mudança na escrita da Mari Scotti, um amadurecimento, um detalhamento maior principalmente nos costumes da época (e no vestuário também!). O crescimento gradual dos personagens e dos seus sentimentos foi outro ponto extremamente positivo, nada é jogado, sabe? Tudo há uma construção, um motivo para acontecer. 

Quando terminei a leitura, fiquei pensando nos meus sentimentos em relação a história para avaliar o livro como um todo e percebi que só tenho boas lembranças. É aquele romance gostosinho, cheio de carinho e amor que você lembra com um sorriso. Parabéns a Mari e já sei que logo logo teremos o livro do Gregório vindo, estou certa? *-*

Corram para a Amazon e garantam já o seu exemplar (tem físico também!!!).

Minha Classificação: ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ (5/5)

- Alessandra Salvia

domingo, 19 de fevereiro de 2017

Resenha: Juntando os Pedaços

Olá amores!

Vocês lembram o quanto "Por Lugares Incríveis" impactou minha vida? Quando terminei aquela triste, porém linda história, afirmei a mim mesma que leria qualquer coisa que Jennifer Niven escrevesse. Mesmo com personagens ainda frequentando a escola, a autora tem o poder de fazer eu me identificar com eles e quando soube do lançamento de "Juntando os Pedaços" pela Editora Seguinte, eu só conseguia pensar: eu preciso desse livro.


A história é sobre Libby, a garota mais gorda dos Estados Unidos e Jack, um garoto com prosopagnosia (doença que não permite que ele reconheça os rostos das pessoas, inclusive da sua própria família). Ambos precisam lidar com seus problemas, mas claro que nada na vida é simples. O bullying existe e você precisa ser muito seguro de si para não se deixar afetar. Para não sofrer com esse mau, Jack não conta a ninguém sobre sua doença, já Libby retorna ao colégio após anos afastada e o encontro do possível casal não vai ser nada como você imaginou.

Admiro a capa escolhida, porque é tão simples quanto a linguagem que a autora utiliza para nos conquistar. É um enredo tão inteligente e tão verdadeiro que vende por si só, não precisa de uma grande capa para chamar a atenção. A leitura é super leve, mesmo com uma temática pesada. Com capítulos curtos, muitas vezes o leitor irá parar para refletir o quanto aquela atitude tomada por determinado personagem pode impactar na vida do outro. 


O fato de Jack ser popular, esconder sua doença e ainda justificar o bullying feito a Libby como uma possível 'defesa' me impressiona. É o que eu via na minha época de escola, pessoas fingindo ser o que não são para serem aceitas e com milhões de justificativas para se inocentar. Já Libby é o que muita gente deveria ser. Mesmo com problemas de depressão e ansiedade, a garota se mostra única. Ela é forte, especial e cativa você. Sabe aquele personagem que te deixa com um sorriso no rosto? Que você quer ser amigo? Que você tem orgulho? É a Libby.

Fiquei emocionada em diversos momentos. Não sofri um bullying direto na época de colégio, mas eu era gordinha e sei o que Libby passou, os meninos conseguiam ser maldosos quando queriam, ou as próprias meninas que fingiam ser minhas amigas só porque eu era inteligente, afinal, na hora de sair para festas ou 'matines', simplesmente me ignoravam. Talvez, não fosse intencional, mas machucava. O fato da Libby ser como é, dá forças as garotas mais novas. Você pode sim dançar, você pode sim fazer parte de um clube no colégio, você pode ser aquilo que quer ser.


Com isso, digo do fundo do coração que "Juntando os Pedaços" é necessário, precisamos mostrar ao mundo que às vezes, uma simples atitude impulsiva gera consequências avassaladoras na vida do outro. Em mais um livro, Jennifer me conquista e me emociona. 

Ah, e lembrando que a bandeira levantada pela doença de Jack também é muito importante. A história nos mostra que a prosopagnosia é bem mais comum do que o imaginávamos e a dificuldade de uma pessoa viver em sociedade é altíssima. Fui surpreendida com as informações que tive e confesso que terminei o livro sendo uma pessoa melhor, pois acredito que adquiri mais paciência e amor ao próximo.

Corre para ler que você não vai se arrepender! E se já leu, deixe seu comentário me contando o que achou.

Minha Classificação: ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ (5/5) - Favorito!

- Alessandra Salvia 

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Especial HP: Harry Potter e a Câmara Secreta

Olá amores,

Cá estou eu prontinha para mais uma resenha da coluna "Especial Harry Potter" e dessa vez o livro destaque é o número 2, o "Harry Potter e a Câmara Secreta"! Preparados? LUMUS MAXIMA!



Sinopse de "Harry Potter e a Câmara Secreta':
O segundo ano de Hogwarts não poderia ser mais assustador. Harry começa a ouvir vozes pelos corredores e várias pessoas são petrificadas. A Câmara Secreta foi aberta e precisamos descobrir quem é o herdeiro de Salazar Sonserina, afinal, ele voltou a Hogwarts;


O porquê devemos ler o livro: 
Esse livro pode parecer uma aventura aleatória, mas não é. Quando você chegar no livro 6. entenderá a complexidade de todo o enredo e o quanto a 'Câmara Secreta' pode influenciar o final da saga. Grandes cenas de ação deixam a leitura rápida e emocionante!


O que senti falta no filme: 
Para ser sincera, nada. Acho que o filme retrata as melhores partes do livro, talvez eu sinta falta de uma maior participação da Gina, porém isso é na série inteira. No livro ela é mais legal e forte do que nos filmes, infelizmente, a atriz Bonnie Wright só começa a ser realmente relevante em 'Ordem da Fênix'.



Ponto que mais amei na história:
Antes de citar o ponto que mais gostei, vou citar o que não gostei, pode ser? Acho que 'A Câmara Secreta' é o livro/filme que menos gosto, a Hermione foi petrificada e isso me desanimou consideravelmente. Ah, ok, ela mesmo inconsciente ajudou o Harry a descobrir que era um basilisco no encanamento, mas eu queria ela na luta também. Agora o que mais gostei foi que começamos a descobrir mais sobre a relação Harry/Tom Ridlle (Voldemort), isso fez a diferença para nos apegarmos ainda mais ao nosso herói;


Quotes marcantes:

"Inimigos do Herdeiro, cuidado! "Você será o próximo, sangue ruim"

"Sabe de uma coisa, Harry?  Se ele não parar de tentar salvar a sua vida vai acabar matando você"

"Eu... não... gosto... de aranhas"

"São nossas escolhas, Harry, que revelam o que realmente somos, muito mais do que as nossas qualidades"

"Só prometa que nunca mais vai tentar salvar minha vida"





Espero que tenham gostado e mês que vem estou de volta com "O Prisioneiro de Askaban". Deixem seu comentário e me contem o que mais gostem de "A Câmara Secreta".

- Alessandra Salvia

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Resenha: Minha Rendição

Olá amores!

Hoje, a resenha é tão especial, mas tããããão especial que eu já começo a escrever sem saber se conseguirei colocar aqui tudo o que senti durante a leitura de "Minha Rendição" da nossa querida parceira Cinthia Freire. Então, antes de mais nada já vou deixar o link da resenha do livro número 1 da série Segredos, o chamado "Meu Erro" e também o link para vocês comprarem o lançamento na Amazon.


Atualmente, temos apenas o e-book disponível, mas caso vocês queiram o físico entrará para vender diretamente com a Cinthia no final do mês, ok? Bora falar um pouquinho sobre o Dr.Vinícius e a linda Poliana, os protagonistas dessa história que te prende do início ao fim.

Dr. Vinícius é um cardiologista e se você já leu "Meu Erro" sabe que a sua consciência não está 100% limpa, nosso médico precisa aprender a se perdoar e seguir em frente. E quando a doce Poliana, surge em sua vida, é difícil esquecer os cabelos avermelhados da garçonete. O problema é que Vini não terá apenas os problemas de seu passado, Poli é uma alma machucada. Com várias feridas ainda abertas, o casal precisará de paciência e confiança para poderem superar os obstáculos colocados em seus caminhos.


Eu sempre digo que gosto de ler dramas, sabe por quê? Porque (geralmente) há uma superação, o personagem precisa se conhecer, precisa descobrir a força que tem. Não necessariamente para ter um final feliz e perfeito, mas a escada para você subir na vida é incrivelmente impactante. Talvez, por eu mesma estar nessa escada, eu me identifico facilmente com esses personagens e me emociono facilmente. 

"Minha Rendição" não me decepcionou em momento algum, sua intensidade veio e acabou com meu coração. Poliana é doce e frágil, tem uma história de vida extremamente dolorida e vê-la crescer, amadurecer... É UAU! Muitas vezes você fica com raiva de sua reação em determinadas situações, mas entende seus motivos e só quer abraçá-la. 

Vinícius me conquistou por não ser perfeito. Assim... Ele é quase, rs. Acho que entendo os medos de Poliana em relação a ele, pois logo de início (mesmo sabendo de seu erro com Gabe), eu não consegui identificar nenhum defeito no cardiologista. Ele é entregue a profissão, é educado, amável e extremamente sexy! Não há nada de errado, aparentemente. No decorrer da história, Vini mostra seus medos e falhas, ele se torna humano e é ali que você o perdoa. Você realmente esquece o passado do personagem e só quer vê-lo feliz.


" - Faça amor comigo — eu peço com a voz forte e decidida. É tudo o que quero, que ele me ame com seu corpo, que me mostre que existe algo bonito, que eu posso ser feliz sendo tocada por um homem.
Ele acaricia meu rosto com o polegar, secando as lágrimas que continuam a cair, embora eu não esteja mais chorando. Ele se inclina, curvando-se até meu ouvido e sussurra:
— Já estamos fazendo. - e então me beija."


Gosto de como os livros são independentes, porém interligados. A presença de Gabe e Carol tornou a leitura mais especial, essa amizade entre os personagens me faz lembrar da emoção que passei no ano passado e fico feliz de ver a evolução de cada um. Lembrando que o meu Alan logo logo chega (destaque para o prólogo especial dele... Cinthia, você me mata do coração qualquer dia desses!).

Confesso que eu tinha amado Gabe e Carol, mas Vini e Poli superaram. São meus novos queridinhos!!! A linguagem é gostosa, simples. Parece uma grande conversa. Ah, e já adianto que mesmo em e-book, eu amei a edição. Temos uma introdução especial escrita pela Babi. A. Sette e a capa combinadinha com a anterior deixa as coisas mais lindas. 

Sei que vocês já não me aguentam mais elogiando o trabalho da Cinthia, mas ela é tão cuidadosa e carinhosa conosco, os leitores, que preciso agradecer e parabenizá-la. Sério. Corram para a Amazon que vale muuuuuuuuuuuito a pena!

Minha Classificação: ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ (5/5) - Favorito!

- Alessandra Salvia

domingo, 12 de fevereiro de 2017

Resenha: O Orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares

Olá amores!

Essa é uma resenha que quero trazer há tempos para vocês, mas eu nunca consigo escrever. "O Orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares" é uma série de livros, porém também estreou nos cinemas, sendo assim, vou trazer uma dica dupla. Inicialmente, abordarei o livro e o seu impacto, depois irei descrever um pouco sobre minha experiência com o filme, ok?


Escrito por Ramson Riggs, considero a série um clássico. Não sei o porquê, mas consigo relacioná-lo a Nárnia de uma maneira bem positiva. Talvez porque as crianças peculiares me agradaram mais que os irmãos Pevensie da história de Lewis. Mas vamos falar um pouco sobre qual é a aventura da vez... Jacob é um garoto de 16 anos aparentemente normal que possui uma forte ligação com o avô. Quando esse avô morre de uma forma bem misteriosa, é difícil para Jacob seguir em frente, há várias memórias que retornam e com a ajuda da família e de um psicólogo, o garoto segue para uma ilha na costa do País de Gales para conseguir suas respostas.

Lá ele encontra as ruínas do orfanato das crianças peculiares. Porém, há um grande segredo que quando Jacob descobrir, mudará seu futuro. As crianças tem poderes e podem ser perigosas, se quiserem. Conhecê-las é a mágica da história. Foram elas que me deixaram encantada por esse mundo. 


Fiquei extremamente satisfeita com a construção do enredo, em como tudo acontece e se torna uma missão de vida para Jacob. Gosto da maneira como ele abraça a causa. Minha personagem favorita é a Emma. A dinâmica entre os personagens é ótima e a presença da Srta. Peregrine também é marcante. 

Outro ponto que preciso elogiar é a linguagem utilizada pelo autor. Como falei anteriormente, considero um clássico até porque a história tem personagens bem 'antigos', porém a leitura é muito simples. Flui e você se transporta para aquele mundo muito facilmente. As descrições são tão visuais que é rápido para você se encaixar ali.

A edição é a coisa mais linda! Fiquei encantada com o trabalho da Editora Leya, minha edição é com a capa do filme, mas mesmo assim, fiquei apaixonada. É uma aventura tão boa que eu emendei com o livro 2, "Cidade os Etéreos" e já já trago resenha para vocês. Mas antes vamos falar um pouco sobre o filme?


Chamado "O Lar das Crianças Peculiares", já adianto que muita coisa mudou e não foi uma mudança positiva. Pode ser um spoiler, mas eu acho que você precisa saber que o filme é único, não deixa pontas abertas para continuações, como o livro deixa, ok? 

A mudança que mais me decepcionou foi o fato da Emma ser TOTALMENTE diferente. O poder dela nos livros é o fogo e no filme é a levitação. (Sério mesmo Tim Burton? --'). Acredito que o que salva a produção cinematográfica é a fotografia e a presença de Eva Green.

O início do enredo é ótimo, adoro como ocorre a apresentação das crianças e a adaptação de Jacob. Mas a continuidade da aventura, como tudo acontece e o desenrolar da morte do avô é bem chatinho. Uma cena específica dos esqueletos me deixou bem entediada.



Não que isso te surpreenda, porém precisava destacar o brilhantismo do livro ao compararmos com o filme. Ou seja, recomendo muito que vocês se joguem na leitura. Fiquei apaixonada por como Riggs faz as crianças serem peculiares e encantadoras ao mesmo tempo.

Minha Classificação: ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ (5/5) - do livro, ok? ;)

- Alessandra Salvia

sábado, 11 de fevereiro de 2017

Resenha: Entre a Culpa e o Desejo

Olá amores!

Que eu sou fã de romances de época, todos sabem e agora a linda da Editora Gutenberg também está com um grande sucesso de publicação: Sarah MacLean! Eu já comecei a ler a "Série O Clube dos Canalhas" há algum tempo, porém apenas recentemente eu consegui dar continuidade, sendo assim a resenha de hoje é "Entre a Culpa e o Desejo", o livro número 2.


A história é sobre Lady Philippa Marbury, uma cientista que está prestes a se casar e não sabe nada da arte da sedução. Sendo assim, a jovem busca no Sr. Cross (o sócio do cassino Anjos Caídos) uma oportunidade para aprender tudo o que precisa para ser um sucesso como esposa. E claro que Cross não é tão bonzinho assim para ensinar sem nada em troca, não é mesmo?

Um livro extremamente divertido e que teve um dos melhores primeiros capítulos que já li, rs. Uma protagonista inteligente e metódica que precisa abrir mão do controle para conseguir aquilo que deseja. Já Cross é aquele mocinho durão e galante, que nos conquista mesmo sabendo que ele não presta. É uma história apaixonante e envolvente.


A linguagem super simples e gostosa, só não gosto muito dos parênteses para indicar diálogos, mas isso não atrapalhou de modo algum a leitura.

As capas da série estão a coisa mais linda e os detalhes como por exemplo os óculos dão um charme especial. Ah, e por falar nisso...  A autora dedica o livro a todas nós que usam óculos, acho bem difícil ver alguma mocinha com essa fragilidade aparente nos livros, mas Sarah traz elementos muito próximos a nós para retratar a época. A questão das rosas no livro é outro exemplo disso.


Com a maestria de Sarah MacLean temos outro excelente romance histórico que marcará por sua originalidade para com a protagonista. Acredito sim que o diferencial da obra seja Lady Philippa e o modo como a mesma vê o mundo, além do seu comportamento que é único.

Corram para conhecer a série "O Clube dos Canalhas", já comprei todos os livros na Black Friday do ano passado e em breve trago as resenhas completinhas para vocês. Deixem um comentário me contando o que achou da dica e se já a conheciam.

Minha Classificação: ♥ ♥ ♥ ♥ (4/5)

- Alessandra Salvia

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Cinema: Estrelas Além do Tempo

Olá amores!

Mais uma super dica que o Oscar 2017 me trouxe. Assisti ao filme "Estrelas Além do Tempo" não dando nada pelo início, fiquei até um pouco entediada com a lentidão para com que tudo acontece, mas aí o final aconteceu e percebi que tudo mudou.


Passando-se em 1961, o filme é baseado em histórias reais, são três mulheres negras que fazem carreira na NASA, porém precisam enfrentar o preconceito de serem mulheres e negras. Até porque, a NASA é uma empresa muito tradicional e o cenário político não estava fácil naquele momento, os Estados Unidos e União Soviética disputavam a posição de supremacia na corrida espacial.


Katherine Johnson (Taraji P. Henson), Dorothy Vaughn (Octavia Spencer) e Mary Jackson (Janelle Monáe) simplesmente arrasam! Sendo amigas, podemos ver a interação entre elas e como cada uma reage a limite imposto pela sociedade. O roteiro é tão bem produzido, um humor sutil, dinâmica excelente. Diálogo muito bem colocados e apresentados com maestria. Cada uma das atrizes me impressionou e cativou. Elenco nota 1.000!

De verdade, eu comecei achando que seria mais um filme e acabei bem emocionada com as conquistas de cada uma. Talvez pelo fato de ser verídico, mas não consigo pontuar em qual momento fiquei presa à história. Eu simplesmente me vi no final com lágrimas nos olhos. Há a presença de cenas reais também, quando foguetes são lançados ou ao retornar para a Terra, isso me deixou ainda mais sensibilizada.


Há outros grandes nomes no elenco, como Kevin Costner, Kirsten Dunst e Jim Parsons. Cenário e figurino estavam ok, nada tão grandioso, apenas fiéis a época. Ou seja, o grande brilho é roteiro. Tanto que o filme está concorrendo ao Oscar como 'melhor roteiro adaptado'. Ainda não assisti 'A Chegada', mas vejo que "Estrelas Além do Tempo" pode sim levar pelo menos essa estatueta para casa.

É inteligente, é inspirador. Dá orgulho de ser mulher. Recomendo muito que todos vão ao cinema assistir, vale o ingresso, garanto!

- Alessandra Salvia